Pressupostos para a valorização da área de Tecnologia e Inovação Industrial na RAM

“The opportunity to implement the proposed actions will not be available for much longer. Europe and its citizens should realize that their way of life in under threat but also that the path to prosperity through research and innovation is open if large scale action is taken now by their leaders before it is too late”.

                                                       Creating an innovative Europe: Aho Group report

A área da Tecnologia e da Inovação Industrial, cobrindo prioritariamente a área alimentar e afins, é considerada de enorme importância para a economia regional pelos seguintes factores:

  • A região deve evitar ficar dependente do exterior em termos industriais, nomeadamente da área alimentar. Ainda que não seja previsível a auto-suficiência nesta área, deve ser considerado que a distância a outros centros de produção, os custos de transporte acabam por ser significativos, reflectindo-se sobre os custos mas tornando a área competitiva.
  • A Tecnologia e Inovação Industrial, vai muito para além da sua própria importância dado que podem dinamizar sectores complementares, nomeadamente o sector agro-alimentar. A produção biológica de produtos alimentares é uma real alternativa para a Região, mas que só vingará se puder ser acompanhada a nível técnico e científico de modo a implementar boas práticas e a assegurar o cumprimento das cada vez maiores restrições de comercialização europeia.
  • A tendência para o aumento da área marítima sob jurisdição nacional cria novas áreas da bioeconomia, que necessitam de apoio tecnológico e valorização pela inovação.
  • Para além do interesse económico de per si, a área desempenha um papel primordial num sector fundamental para a região, como o turismo. Assim, para além de poder contribuir para uma melhoria qualitativa dos produtos consumidos, incluindo pelos turistas, a imagem da região sai reforçada.
  • Ainda que subsequente, a área cobre ainda aspectos da contaminação industrial (no respeitante à actividade industrial) que devem merecer a maior atenção numa região em que o turismo é a maior fonte de receitas, e da saúde através do impacto da segurança alimentar e da valorização dos produtos regionais de qualidade.
  • Apesar da grande maioria das actividades industriais existentes ou a desenvolver na Região não tenham como principal objectivo a internacionalização, a área cobre o produto regional com maior projecção internacional, o vinho madeira, pelo que as actividades de ID+TI não devem descurar a internacionalização como objectivo.
  • A área da Tecnologia e Inovação Industrial já representa actualmente a maior fatia da economia da região (excluindo o turismo) e a sua importância é bem demonstrada pelo facto da grande maioria do investimento laboratorial na região se relacionar com esta área. Este facto, que levou a elevados investimentos no passado recente, exige que a região possa rentabilizar esses recursos.
  • A área engloba também um elevado número de postos de trabalho, estáveis e cada vez mais de elevada qualificação, que deve ser analisado de modo a fixar recursos humanos na região, sem custos incomportáveis para a economia e contribuindo para a formação de um “cluster” nesta área, com capacidade de potenciar ainda maior desenvolvimento.
  • As acções a desenvolver envolvem prioritariamente a gestão da inovação, de modo a proporcionar às empresas que não têm dimensão para criar o seu próprio núcleo de IDT+I, o acesso à informação tecnológica, o acesso ao sistema nacional de ID+TI através de instituições de ensino/investigação, ao apoio técnico à transferência de tecnologia de modo a promover a redução de custos e a melhoria de competitividade, o acesso ao uso de novos produtos, nomeadamente de origem regional.

Há necessidade de congregar na região o know-how necessário para a formação e a resolução de problemas tecnológicos da área, para diminuir a dependência do exterior. A formação tecnológica, a nível superior ou não, deve ser dinamizada com os objectivos centrados nas prioridades da área (ciências e engenharias, em geral) e envolver a contratação de jovens investigadores.

Deixe uma resposta

Top