Anexo – Análise SWOT da área

Pontos Fortes Pontos Fracos
  • Elevado conjunto de infraestruturas na RAM
  • Orografia da ilha que resulta na necessidade de se encontrarem soluções para minimizarem os seus efeitos negativos
  • Proximidade do mar que constitui um ambiente agressivo para as estruturas em geral e em particular as de betão armado
  • Área científica de Eng. Civil com 1º e 2º ciclo na UMa
  • Existência de um laboratório na RAM (LREC) já significativamente equipado de modo a possibilitar investigação na área
  • Existência de várias empresas do setor na RAM
  • Elevada disponibilidade de recursos humanos com formação base e média (1º e 2º ciclos) na área devido à quebra do setor da construção civil
  • Existência de poucos investigadores (doutorados) da área na RAM
  • Cultura das empresas do setor de sistematicamente não investirem na investigação
  • Dificuldades financeiras das empresas do setor reduzem significativamente, ou mesmo inviabilizam, a disponibilidade para investirem em investigação
  • Dificuldade de acesso ao financiamento para desenvolver investigação na área
  • Financiamentos dos projetos às entidades públicas (LREC) dependentes do orçamento da RAM
  • Falta de incentivos à cooperação entre o LREC, UMA e empresas regionais do setor
  • Reduzida aposta na investigação da área na RAM
Oportunidades Ameaças
  • Criação de um “know-how” muito útil e importante para a RAM num futuro próximo
  • Criação de um centro de investigação na área
  • Atração e fixação de especialistas da área na RAM que possibilita a resolução dos problemas locais de forma mais célere e económica, além de proporcionarem a exportação do conhecimento
  • Possibilidade de contratação de RH especializados ao abrigo dos projetos
  • Preparar e adequar as empresas do setor à nova realidade de necessidades da área na RAM
  • Proporcionar às empresas do setor a possibilidade de exportarem o conhecimento desenvolvido no âmbito dos projetos de investigação
  • Redução de custos potencialmente elevados para a RAM nos casos de intervenções atempadas e adequadas às patologias das infraestruturas
  • Melhorar o conhecimento para a minimização dos efeitos de fenómenos naturais extremos com repercussões agravadas na RAM devido à sua orografia
  • Proporcionar condições para a criação de um 3º ciclo em Eng. Civil na UMa, reforçando a investigação e a especialização de RH na área
  • Criação de parcerias internacionais com Universidades e empresas de elevado conhecimento e experiência na área
  • Dificuldades financeiras no período 2014-2020 que resultem em decisões de não financiamento da área
  • Perda dos poucos RH especializados (doutorados) na área por falta de aposta na investigação
  • Equipamentos de investigação tornarem-se inoperacionais e/ou obsoletos devido à incapacidade para suportar as despesas de manutenção e atualização
  • Área com forte componente de prevenção que resulta frequentemente na conclusão de não ser considerada estratégica e/ou necessária

Deixe uma resposta

Top